Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Economia

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Economia

07/02/2019 11:57 - Cesta básica fica mais cara em 9 capitais em janeiro, diz Dieese

O preço da cesta básica subiu em nove capitais brasileiras e caiu em outras nove no primeiro mês do ano, mostrou a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE).

 

A capital com a cesta mais cara foi São Paulo (R$ 467,65), seguida pelo Rio de Janeiro (R$ 460,46) e por Porto Alegre (R$ 441,65). Os menores valores médios foram observados em Recife (R$ 348,85) e Natal (R$ 351,83).

 

Em 12 meses, 13 cidades acumularam alta nos preços. As maiores elevações em Goiânia (9,94%), Campo Grande (7,96%) e Belo Horizonte (6,68%). As quedas ocorreram em cinco capitais, as mais expressivas em Natal (-2,40%) e Recife (-2,14%).

 

Veja as cidades que tiveram maiores altas da cesta básica em janeiro:

 

·         Vitória (5,00%)

·         João Pessoa (4,55%)

·         Natal (3,06%)

·         Salvador (2,80%)

 

Veja as cidades com as principais quedas da cesta básica em janeiro:

 

·         Porto Alegre (-4,96%)

·         Florianópolis (-4,43%)

·         Curitiba (-4,16%).

 

Salário mínimo

 

Em janeiro, com o reajuste de 4,61% no salário mínimo, o tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta básica foi de 88 horas e 05 minutos. Em dezembro de 2018, quando o salário mínimo era de R$ 954,00, a jornada necessária foi calculada em 92 horas e 17 minutos e, em janeiro do mesmo ano, em 89 horas e 29 minutos.

 

Quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto da Previdência Social, verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em janeiro, 43,52% da renda para adquirir os produtos da cesta. Em dezembro, quando o salário mínimo valia R$ 954,00, a compra demandava 45,59% e, em janeiro do mesmo ano, 44,21%.

 

Fonte: G1

 

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

22/07/2019 11:33 - Mercado interrompe sequência de 20 semanas de queda da previsão do PIB
22/07/2019 11:33 - Países devem reduzir tarifas e buscar acordos comerciais, diz Ipea
22/07/2019 11:22 - Intenção de consumo das famílias recua 1,7% em julho, diz CNC
22/07/2019 11:21 - MP da liberdade econômica traz impacto para a inovação tecnológica
22/07/2019 11:20 - Mercado projeta crescimento de 0,82% para a economia
22/07/2019 11:20 - Ministério deve se reunir com caminhoneiros na próxima semana sobre tabela de frete
22/07/2019 11:19 - Bolsonaro garante que CPMF não vai voltar em proposta de reforma tributária
22/07/2019 11:17 - Bolsonaro indica que diminuição de multa do FGTS pode ser avaliada à frente
22/07/2019 11:16 - Orçamento terá novo corte de R$2,5 bi, diz Bolsonaro
22/07/2019 11:15 - Ausência de corte da Selic seria "decepção" para o mercado, diz Itaú

Veja mais >>>