Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Economia

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Economia

06/05/2019 12:08 - Inflação da baixa renda avança para 0,73% em abril, aponta FGV

O Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1) — que mede a variação de preços de produtos e serviços para famílias com renda entre um e 2,5 salários mínimos — apresentou alta de 0,73% em abril, após marcar 0,67% um mês antes, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) em relatório hoje.

 

Já o IPC-Br, que mede a alta de preços para famílias com renda de um a 33 salários mínimos mensais, registrou aumento de 0,63% em abril, depois de subir 0,65% no mês anterior.

 

Com esse resultado, o IPC-C1 acumula alta de 5,86% nos últimos 12 meses, contra 5,19% do indicador geral.

 

Na passagem de março para abril, das oito classes de despesa componentes do índice, apresentaram acréscimo em suas taxas de variação: Saúde e Cuidados Pessoais (0,25% para 1,08%), Transportes (1,27% para 1,67%), Habitação (0,20% para 0,31%), Educação, Leitura e Recreação (0,10% para 0,35%) e Vestuário (0,61% para 0,71%).

 

Despesas Diversas mudaram de rumo (-0,15% para 0,24%)e Comunicação reduziu o ritmo de queda (-0,06% para -0,02%).

 

Em contrapartida, Alimentação abrandou o ritmo de aumento, 1,23% para 0,76%, com destaque para o comportamento do item arroz e feijão (6,20% para -0,80%).

 

A principal diferença entre o IPC-C1 e o IBC-Br está na ponderação da cesta de produtos e serviços para chegar ao indicador final. Como, para famílias mais pobres, Alimentação costuma ter maior relevância dentro do total de despesas, por exemplo, essa classe de despesa tem peso de quase 40% no IPC-C1 contra 27% no IPC-Br. Da mesma forma, Educação tem peso de quase 9% na inflação das famílias que recebem até 33 salários mínimos e de 2,5% para os menos abastados.

 

Suas diferenças, além do peso de cada item ou categoria de despesa, estão também nas cidades pesquisadas. Enquanto o IPC-Br é coletado em sete capitais (São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Porto Alegre e Brasília), o IPC-C1 se limita a levantar preços de Rio, São Paulo, Recife e Salvador. Ambos IPC-Br e IPC-C1 são baseados em coletas do primeiro ao último dia útil de cada mês.

 

Fonte: G1

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

22/07/2019 11:33 - Mercado interrompe sequência de 20 semanas de queda da previsão do PIB
22/07/2019 11:33 - Países devem reduzir tarifas e buscar acordos comerciais, diz Ipea
22/07/2019 11:22 - Intenção de consumo das famílias recua 1,7% em julho, diz CNC
22/07/2019 11:21 - MP da liberdade econômica traz impacto para a inovação tecnológica
22/07/2019 11:20 - Mercado projeta crescimento de 0,82% para a economia
22/07/2019 11:20 - Ministério deve se reunir com caminhoneiros na próxima semana sobre tabela de frete
22/07/2019 11:19 - Bolsonaro garante que CPMF não vai voltar em proposta de reforma tributária
22/07/2019 11:17 - Bolsonaro indica que diminuição de multa do FGTS pode ser avaliada à frente
22/07/2019 11:16 - Orçamento terá novo corte de R$2,5 bi, diz Bolsonaro
22/07/2019 11:15 - Ausência de corte da Selic seria "decepção" para o mercado, diz Itaú

Veja mais >>>