Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Economia

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Economia

14/10/2019 11:58 - Novos hábitos de consumo alteram cálculo da inflação a partir de janeiro de 2020

Os produtos e serviços usados para medir a inflação oficial do país serão atualizados para acompanhar as mudanças nos hábitos de consumo da população. A partir de janeiro de 2020, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) vai pesquisar a variação nos preços de 56 novos elementos. A divulgação está prevista para início de fevereiro.

 

A lista inclui novas tendências, como transportes por aplicativo e serviços de streaming, passando por tratamento e higiene de animais domésticos, até produtos de consumo rápido, como macarrão instantâneo. Outros exemplos que passarão a fazer parte do cálculo da inflação oficial são serviços relacionados à vida saudável e estética, como sobrancelha, cabeleireiro e barbeiro, depilação e atividade física.

 

A atualização da pesquisa retira também itens que perderam espaço ou foram excluídos do orçamento das famílias, como aparelhos de DVD, assinatura de jornais e máquinas fotográficas.

 

Essas mudanças nos componentes da inflação têm como base os resultados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018, que atualizou os hábitos de consumo, despesas e renda das famílias. Com 377 produtos e serviços, a nova estrutura de ponderação do IPCA traz seis subitens a menos que no modelo atual, baseado na POF 2008-2009, e em vigor desde janeiro de 2012.

 

“Ficamos muito tempo sem ter uma POF e temos uma mudança cada vez mais rápida no padrão tecnológico. Tivemos a saída de alguns itens que realmente não encontramos mais. Ao mesmo tempo, tivemos a entrada de produtos que estão no cotidiano de milhões de brasileiros”, explicou o gerente de Índice de Preços do IBGE, Pedro Kislanov.

 

O IPCA reflete a cesta de consumo das famílias com rendimento mensal de um a 40 salários mínimos e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e Brasília.

 

Transportes superam alimentação e passam a ter o maior peso no IPCA

 

Outra alteração está no peso do grupo transportes do IPCA, que pela primeira vez será o principal componente da inflação, com 20,8% do indicador, apesar de reduzir sua representação, que era de 22%. O grupo superou alimentação e bebidas, que diminuiu a participação de 22% para cerca de 19%.

 

Houve redução no peso do transporte público, que passou de 4,50% para 3,16%. Adicionalmente, foram incorporados bilhetes de integração de transporte público (0,07%) e transporte por aplicativo (0,21%). Também nesse grupo, o peso de 11,66% do veículo próprio indica o comprometimento dos orçamentos das famílias com produtos e serviços como emplacamento, seguro e estacionamento.

 

Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que calcula a inflação das famílias com rendimento de um a cinco salários mínimos, seguiu com alimentação e bebida como o grupo de maior peso, porém reduzindo sua participação de 27,3% para cerca de 21,5%. Diferentemente do IPCA, transportes teve ganho de participação de cerca de 1,8 ponto percentual, chegando a 20%.

 

“O aumento no peso do transporte pode ser explicado pela menor quantidade de opções desse serviço, enquanto na alimentação, as famílias tem mais facilidade em trocar alguns produtos por outros, para economizar”, explicou o gerente de Índice de Preços do IBGE.

 

Rio de Janeiro é a região que mais perdeu participação

 

A região metropolitana do Rio de Janeiro foi a que mais perdeu peso entre a atual estrutura e a nova do IPCA, passando de 12,06% para 9,41%. Belo Horizonte também perdeu participação, saindo de 10,86% para 9,84%, enquanto Rio Branco, mesmo com ganho de 0,09 ponto percentual, se manteve com a menor influência, de 0,51%

 

Já São Paulo permaneceu com o maior peso no IPCA, passando de 30,67% para 32,32%. Brasília também teve aumento expressivo, saindo de uma participação de 2,80% para 4,09%.

 

Kislanov explicou que há diferenças no cálculo do IPCA e do INPC. “No caso do IPCA, o ponderador do peso regional é a renda das famílias. Em Brasília, por exemplo, o rendimento é mais elevado, o que pode ter algum efeito [nesse aumento]. No INPC, o ponderador é a população residente urbana, e vimos que em São Paulo e no Rio já não variou tanto”, esclareceu.

 

Fonte: IBGE

 

 

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

19/11/2019 12:38 - Feriados devem causar perda de R$ 11,8 bilhões ao varejo em 2020
19/11/2019 12:33 - 4,8 milhões de desempregados buscam trabalho há pelo menos 1 ano
19/11/2019 12:31 - Desemprego fica estável no RJ, mas ainda atinge cerca de 1,3 milhão de pessoas, diz IBGE
19/11/2019 12:30 - ANTT republica tabela de frete e inclui pedágio no cálculo do preço mínimo do transporte
19/11/2019 12:10 - SP é único estado com queda do desemprego no 3º trimestre, diz IBGE
19/11/2019 12:09 - Mais de três milhões buscam emprego há mais de 2 anos, diz IBGE
19/11/2019 12:08 - Com Selic em queda, poupança pode passar a render menos que a inflação
19/11/2019 12:06 - Lei da Liberdade econômica deve ser aplicada, diz presidente do Sebrae
19/11/2019 12:05 - Mercado passa a ver Selic a 4,25% em 2020
19/11/2019 12:04 - IGP-M passa a cair 0,01% na 2ª prévia de novembro, diz FGV

Veja mais >>>