Notícias do setor
Economia
Jurídico
Tecnologia
Marketing
Bebidas
Carnes / Peixes
Notícias Abras
Geral
Redes de Supermercados
Sustentabilidade
 
Você está em:
  • Notícias do setor »
  • Notícias Abras

Notícias do setor - Clipping dos principais jornais e revistas do Brasil

RSS Notícias Abras

04/04/2019 14:57 - Preços do feijão na montanha-russa

Depois de alcançarem R$ 400 por saca de 60 quilos em fevereiro, maior patamar desde 2016, os preços pagos aos produtores de feijão do país caíram 45% em apenas um mês diante da proximidade da colheita da segunda safra desta temporada 2018/19 e tendem a continuar pressionados com a renovação da oferta. No varejo, porém, os consumidores só deverão sentir algum alívio em cerca de dois meses.

 

Entre dezembro e fevereiro, os valores oferecidos aos agricultores subiram 60% em decorrência dos problemas observados na primeira safra nas regiões Sul e Sudeste, onde uma prolongada estiagem prejudicou as lavouras. Como os estoques estavam baixos em razão de uma oferta menor que a esperada na terceira e última safra do ciclo 2017/18, estava criado o espaço para o salto.

 

Com pouca oferta e sem poder importar - o Brasil é o único país a produzir feijão carioca, o mais consumido no país - indústria e varejo repassaram imediatamente a disparada aos consumidores. Nas gôndolas, somente em fevereiro a alta foi de 51,58% segundo o IPCA. No período de 12 meses encerrado em fevereiro passado, a valorização acumulada chegou a 102,34%, sendo que o índice geral para o período atingiu 3,89%.

 

A colheita da segunda safra da temporada 2018/19 deverá começar em poucas semanas. Segundo estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a colheita do carioca deverá atingir 613,6 mil toneladas, 28,6% mais que no mesmo período de 2017/18. Somados todos os tipos de feijão produzidos no país (caupi, jalo etc), a produção deverá somar 1,36 milhão de toneladas, um avanço de 11,5%. No total, as três safras de 2018/19 estão projetadas em 3,07 milhões de toneladas, para um consumo de 3,15 milhões.

 

"Do produtor ao consumidor final tem a preparação do grão, embalagem e distribuição. Esse processo leva um tempo, por isso a queda dos preços nas gôndolas vai demorar um pouco mais", afirma Marco Aurélio Lima, diretor do GFK, empresa de pesquisa de mercado que faz o monitoramento de preços nos supermercados para a Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

 

Lázaro Moreto, CEO da Broto Legal Alimentos, uma das maiores empresas do segmento no país, é mais otimista. Segundo ele, alguns varejistas poderão acusar já neste mês o efeito da queda de preços no campo e, assim, acelerar o repasse para o varejo. "O reposicionamento dos estoques do feijão é semanal, com o pagamento no início do mês. O varejo deverá renovar todo o estoque em breve", diz o executivo.

 

Mas Moreto reclama que o mercado de feijão continua complexo e difícil de gerenciar. "O melhor é conseguir planejar o médio e o longo prazos. Suplemento versus venda. Mas isso não acontece no feijão", afirma. "É como diz uma velha expressão que usamos nesse mercado: 'você pode dormir rico e acordar pobre', já que a mudança de preços é sempre muito violenta", completa.

 

Nesse contexto, um dos agravantes, tanto para a indústria quando para o varejo, é que não se pode estocar feijão, uma vez que o grão perde cor e qualidade - o que não acontece com o arroz, por exemplo. O CEO da Broto Legal lembra que, no ano passado, os preços despencaram em consequência do excesso de oferta, o que desestimulou o plantio na temporada 2018/19. Agora acontece justamente o contrário.

 

O presidente do Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses (Ibrafe), Marcelo Lüders, afirma que, para se proteger, os produtores de feijão devem semear outras variedades além do carioca. De preferência exportáveis, como caupi, preto e jalo. Outros pulses, como grão de bico e ervilha, também são boas opções. "É preciso abrir mercado, assim o produtor terá colchão financeiro. E se os preços tiverem ruins aqui, é possível vender no exterior. É preciso que o mercado amadureça".

 

No tocante à organização do mercado, o Ibrafe tem participado de reuniões em Brasília com representantes do Ministério da Agricultura para mostrar os problemas do segmento. E, também nesse sentido, foi criado o Conselho Brasileiro do Feijão e Pulses, com representantes do Ibrafe, Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Feijão (Acebra), Sindicato Rural de Sorriso (MT), Aprosoja de Mato Grosso e empresas como Camil e Arbaza Alimentos.

 

Fonte: Valor Econômico

Enviar para um amigo
Envie para um amigo
[x]
Seu nome:
E-mail:
Nome do amigo:
E-mail do amigo:
Comentário
 

 

Veja mais >>>

19/08/2019 16:16 - 38ª edição da Expoagas começa nesta terça-feira no RS
16/08/2019 18:26 - ABRAS se mobiliza para a Semana do Brasil
15/08/2019 17:23 - ABRAS reúne mais de 400 pessoas no Fórum de Prevenção de Perdas e Desperdício
15/08/2019 11:52 - Entenda as principais mudanças da MP da Liberdade Econômica
14/08/2019 16:07 - Setor supermercadista registra R$ 6,7 bilhões em perdas
14/08/2019 16:06 - Câmara aprova texto-base da MP da Liberdade Econômica
13/08/2019 15:37 - ABRAS divulga índice de perdas nos supermercados nesta quarta-feira
12/08/2019 17:52 - Embrapa e ABRAS querem reduzir perdas de alimentos no varejo
12/08/2019 11:56 - SIAVS 2019 terá painel sobre demandas do consumidor atual
08/08/2019 11:00 - Furtos em supermercados geram prejuízo superior a R$ 1 bi

Veja mais >>>